[Análise] L.A. Noire

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Análise] L.A. Noire

Mensagem por Pangtong em Qua Jun 01, 2011 10:42 am

Desenvolvedora: Team Bondi
Lançamento: 17/05/2011
Distribuidora: Rockstar Games
Suporte: 1 jogador, cartão de memória
Gênero: Third Person Action

PS3 / XBoX360

Considerações

Antes de “L.A. Noire” chegar às lojas havia certa descrença sobre o jogo da Rockstar em parceria com o estúdio australiano Team Bondi. Agora as dúvidas acabaram, pois esse não é apenas um jogo que adiciona novas formas de encarar os games de ação em terceira pessoa, como também marca o início de uma nova era na narrativa digital.

O jogo impressiona não só pela sua qualidade visual e de animação, mas também pela interpretação dos personagens, as histórias que são contadas e todos os elementos de ambientação que fazem o jogador acreditar que está vivenciando nos anos 1940 - além de contar com ação na medida certa. Essa é uma nova experiência que deve ser vivida por qualquer pessoa que goste de usar mais a cabeça do que o gatilho do controle.

Introdução

A cidade de Los Angeles do final dos anos 40 tinha uma aura mágica: pessoas de todos os EUA chegavam lá atrás de fama e sucesso nos filmes de Hollywood. Assim como qualquer lugar, Los Angeles tem seus problemas. Por trás de toda a magia dos estúdios existe um lado maligno, com crimes de todos os tipos – indo de um simples atropelamento até assassinatos em série. “L.A. Noire” transpira glamour, perversão, amor e ódio. O resultado é algo único, encantador e vibrante.

A Rockstar (empresa que criou a série “Grand Theft Auto”) resolve sair do lado do crime e coloca o jogador na pele de um policial em “L.A. Noire”. O jogador vai investigar crimes na cidade de Los Angeles dos anos 40 seguindo a linha de filmes policiais da época. Para isso será necessário coletar provas e pistas nas cenas de crime, interrogar pessoas e, quando necessário, perseguições no meio da cidade.

O game impressiona pela qualidade da animação dos rostos dos personagens, que são representados por atores de Hollywood, como é o caso de Aaron Staton, que interpreta o detetive Cole Phelps, o protagonista dessa aventura.


Pontos Positivos

■Não é um "GTA" nos anos 40

É necessário observar que “L.A. Noire” não é um GTA nos anos 40. Por mais similar que se pareçam, esse não é um game de tiro em terceira pessoa com mundo aberto. Sim, o jogador tem a portunidade de circular pela cidade de Los Angeles livremente, conhecer pontos interessantes, fazer missões paralelas e afins, mas aqui Phelps é um cara “do bem” e não vai sacar seu revólver e sair disparando no meio da rua sem ser extremamente necessário.

Além disso, há penalidades ao sair dirigindo como um louco ou ferindo pessoas. Ou seja, tire essa ideia da cabeça, pois não vai ser possível sair causando o caos na cidade a seu bel prazer. Mas veja que isso não é um ponto negativo, pois faz parte da experiência que a Rockstar quer passar para o jogador e se encaixa perfeitamente com o contexto do jogo.

■O corpo não mente, mas engana

A principal atração de “L.A. Noire”, além de sua ambientação, é a forma que ele funciona. Esse é um game que lida com a procura de pistas, intuição e a percepção do jogador. Você deve procurar por evidências em todos os cantos, e assim ter pistas para descobrir quem é o assassino.

Uma das principais características do jogo está na forma que o jogador interage com outros personagens do game, principalmente na hora de interrogá-los. Phelps tem três formas de abordar o entrevistado: acreditar, duvidar ou acusar de mentir. Para chegar a essas conclusões é necessário ficar de olho nas expressões faciais do entrevistado e analisar sua atitude, pois tudo é representado nos mínimos detalhes.

Geralmente as pessoas não se sentem confortáveis em mentir para um policial, e isso pode ser analisado pelo seu comportamento evitando, por exemplo, o contato direto dos olhos, engolindo seco ou um sorriso sarcástico no canto da boca. Só que se fosse simples assim não teria graça.

É preciso analisar também a circunstancia e o estado de espírito que o entrevistado se encontra, pois nem todas pessoas conseguem ser diretas quando recebem uma má notícia. Um bom exemplo disso é uma jovem garota que acaba de descobrir que a mãe morreu. Como ela está em estado de choque, dificilmente ela vai dar respostas sólidas. Isso vai criando uma complexidade cada vez maior conforme Phelps vai subindo na carreira.

Caso você esteja em dúvida, pode usar a intuição, habilidade que pode indicar quais são respostas certas e quais as pistas provam que o entrevistado está mentindo. Esses pontos de intuição são liberados conforme você faz as perguntas certas e dão uma dinâmica de evolução essencial para o game.

Mesmo que o jogo tenha uma linearidade, ela não é tão rígida quanto parece, pois cada pessoa joga e encara os fatos de uma forma muito particular. Isso proporciona experiências distintas para diferentes jogadores e que pode gerar discussões interessantes sobre as formas que os casos foram resolvidos e que definitivamente modifica a forma de se fazer a narrativa de um game.

■Missões paralelas não atrapalham

Além de investigar os grandes crimes, Phelps tem muita coisa para fazer, como ajudar a força policial a impedir um homem de se jogar do alto de um prédio, ou interromper um assalto a uma joalheria.

Essas missões paralelas são apresentadas quando você anda de carro e recebe um chamado no rádio do carro patrulha. Cabe ao jogador decidir se vai atender a esse chamado ou não. A parte importante é que essas missões podem ser apreciadas depois de terminar o modo de história, o que é um ponto positivo para quem é disperso e perde o foco com diversas possibilidades à disposição.

Além das missões paralelas, existem tarefas como coletar rolos de filmes ou visitar pontos turísticos da cidade e outras atividades à sua disposição. Ou seja, mesmo com a ausência de um modo multiplayer, existe muito que se fazer após terminar o jogo.

■Ambientação de primeira

Uma das coisas que mais impressionam é a ambientação de “L.A. Noire”, que consegue fazer com que o jogador se sinta na cidade de Los Angeles dos anos 1940. Os prédios, as ruas, os veículos, propagandas, figurino... tudo está lá para fazer você acreditar que vive nessa época. E se você é fã de filmes noir, tem a opção de jogar em preto e branco.

Ao entrar em um bar ou no carro você vai ouvir as músicas da época, principalmente o jazz e o blues. Em resumo, o Team Bondi conseguiu captar o espírito e transmiti-lo para o jogador de uma forma sem igual.

■Ação na medida certa

Mesmo não tendo foco na ação, esse é um elemento muito bem explorado e mostra a qualidade típica da Rockstar. Existem cenas de perseguição que são ótimas e emocionantes, os tiroteios são bem planejados e intensos, contando inclusive com a chegada de reforço policial para ajudar o jogador a eliminar os bandidos. Claro que esta parte não é perfeita e possui alguns problemas técnicos que não atrapalham a experiência de jogo.

Pontos Negativos

■Impossível cortar partes já vistas

Por mais que o jogo tenha muitas coisas boas, é preciso um olhar crítico para perceber que ele não é perfeito. Um exemplo disso é que algumas cenas não podem ser cortadas, mesmo aquelas que já foram vistas. E isso pode ser um empecilho para os caçadores de Conquistas e Troféus, pois em missões mais avançadas as cenas de corte vão ficando cada vez maiores e mais frequentes.

■Movimentação artificial

Se por um lado a animação facial é perfeita e sem nenhuma ressalva, o mesmo não pode ser dito da atuação corporal dos personagens, que é dura e até robótica em algumas ocasiões. É estranho ver uma cabeça tão perfeita em um corpo que parece uma marionete

Fonte: Uol Jogos

Pangtong
Estátua full size 1/6

Número de Mensagens : 2832
Idade : 32
Localização : Itajai - SC
Data de inscrição : 27/05/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum